Home / Mundo / Vaticano reage à destruição de esculturas indígenas

Vaticano reage à destruição de esculturas indígenas

23/10/2019 ás 08:54:11

O Vaticano acusou nesta terça-feira, 22, redes sociais católicas ultraconservadoras de fomentar o ódio. A acusação foi feita depois que militantes roubaram estátuas que representavam a Mãe Terra e as lançaram ao Rio Tibre, em Roma, na segunda-feira. O ato ocorre na última semana do Sínodo da Amazônia, em que se debate o futuro da Igreja na região. As estátuas roubadas e descartadas eram exibidas com outros artefatos amazônicos em uma igreja perto do Vaticano.

“Em nome da tradição e da doutrina, uma efígie da maternidade e da santidade da vida foi jogada fora com desprezo”, disse Andrea Tornielli, diretor editorial do Vaticano. Tornielli disse que o incidente foi “um gesto violento e intolerante” e os ladrões “passaram do ódio nas redes sociais para a ação”. Ele disse ser chocante que um site católico conservador tenha dado como manchete do roubo “A Justiça está feita”. As esculturas de madeira representavam uma mulher nua, grávida.

Mesmo antes de o sínodo começar, redes sociais católicas conservadoras atacaram seu documento de trabalho por considerá-lo herético, particularmente por sugerir que homens casados idosos possam ser ordenados como padres para rezar missas na vasta região isolada.

Mais tarde, eles expressaram revolta com o uso de uma estátua amazônica de uma mulher grávida em uma cerimônia de abertura. A mídia ultraconservadora disse que a imagem é parte da adoração de Pachamama (Mãe Terra) e, portanto, é um símbolo pagão. Já o Vaticano disse se tratar de um símbolo de vida indígena tradicional.

Um vídeo do incidente foi publicado na internet e ganhou destaque em sites da mídia católica conservadora e no Twitter. Um deles iniciou uma petição para remover a estátua e divulgou um comunicado dos ladrões, dizendo que agiram porque as pessoas de fé estão “sendo atacadas por membros de nossa própria Igreja”. “Não aceitamos isso! Não ficamos mais em silêncio! Começamos a agir agora!”, dizia o comunicado divulgado no site.

O prefeito da Secretaria de Comunicação do Vaticano, Paolo Ruffini, classificou o roubo e o descarte das estátuas como uma “bravata” que não facilita o “espírito de diálogo”.

Reação

A Rede Eclesial Pan-Amazônica, um grupo de bispos católicos e de organizações da Amazônia presentes em Roma, pediu respeito à diversidade. “Nos últimos dias, fomos vítimas de atos de violência que refletiram intolerância religiosa, racismo, humilhação contra povos indígenas acima de tudo”, disse a entidade.

(Com agências internacionais).

Compartilhar

Veja Também

Libertados 71 presos políticos num mês na Venezuela

02/11/2019 ás 11:48:16 Durante o passado mês de outubro foram libertados 71 presos políticos na ...