segunda-feira , fevereiro 18 2019
Home / Ceará / Transplantes: Ceará registra segundo melhor resultado da história em 2018

Transplantes: Ceará registra segundo melhor resultado da história em 2018

31/01/2019 às 00:19:58

O Ceará realizou 1.536 transplantes de órgãos e tecidos em 2018, segundo melhor resultado da história. Foram 17 a mais que no ano anterior, quando o Estado fez 1.519. Destaque para o número de transplantes de fígado, 211 realizados, o segundo maior recorde consecutivo registrado no Ceará. Em relação a 2017, houve crescimento de 4,9% no número de transplantes hepáticos.

Outros três tipos de transplantes também se destacaram no ano passado: quatro de rim/ pâncreas, 31 de coração e 32 alogênicos de medula óssea. Comparado ao ano anterior, o Ceará totalizou 14 transplantes a mais desses órgãos e tecidos. Em 2017, foram um de rim/ pâncreas, 27 cardíacos e 25 alogênicos de medula óssea. Em 2018, houve também 220 transplantes de rim, um de pâncreas, três de pulmão, 68 autólogos de medula óssea, 938 de córnea e 28 de esclera.

A coordenadora da Central de Transplantes do Ceará, Eliana Régia, ressaltou o resultado positivo de 2018 e declarou que a meta é ampliar a capacitação de profissionais para viabilizar mais captações de órgãos no interior do estado.

Até o dia 28 de janeiro, o Ceará já registrou 82 transplantes de órgãos e tecido. Um deles foi o da maranhense Maria Monteiro de Souza, 32, que mora há 10 anos em Camocim, a 356 km de Fortaleza. Depois de seis anos de espera, ela ganhou no dia do seu aniversário, 3 de janeiro, o que considera o melhor presente de todos: um novo fígado. Esse foi o primeiro transplante hepático em 2019 no Estado, realizado no Hospital Geral de Fortaleza (HGF), da rede pública do Governo do Ceará. Maria teve alta no último dia 24 de janeiro e tem perspectivas muito positivas para o novo ano.

Esperança em 2019
“Eu quase não acreditei, não sabia se chorava, se agradecia para todos eles da equipe, pois uma vez, eu até cheguei a ser a próxima da fila, mas surgiu uma urgência na minha frente e o órgão teve que ir para essa pessoa. Eu não fico triste, porque tudo é no tempo de Deus, mas eu passei por muitas provações durante esse tempo. Várias internações, idas e vindas ao hospital, mas Deus é muito bom e me presenteou. Tudo isso em ensinou muito”, declara.

Desde os 12 anos de idade, Maria sofria com os sintomas da retocolite ulcerativa, uma doença que causa inflamação do revestimento do cólon (intestino grosso) ou reto. Pelo agravamento dessa doença, descobriu o problema no fígado. Ela veio para o Ceará em busca do tratamento da doença hepática, onde conseguiu entrar na fila de transplante.

“Desde criança, a minha vida foi cercada por cuidados. Eu cresci com a retocolite e sempre fui privada de muitas coisas. Às vezes, eu até sentia uma inveja dos meus amigos que podiam dormir na casa do outro, saiam e eu precisava ficar em casa. Isso me deixava muito triste, porque eu tinha que ter repouso e tratar a doença direitinho. Ao longo desses anos eu tomei muitos remédios, e foi por conta disso que meu fígado não aguentou e eu precisei de um transplante hepático”, explica.

Maria foi internada no HGF no dia 31 de dezembro de 2018. Além dela, outras 21 pessoas receberam um novo fígado neste ano. Nos primeiros 28 dias de 2019, o Ceará realizou 12 transplantes de rim, 46 de córnea e dois de coração.

ASCOM

Compartilhar

Veja Também

No Ceará, índios protestam contra a transferência de demarcação de terras da Funai para a Agricultura

01/02/2019 às 18:28:37 Povos indígenas do Ceará fizeram caminhada em Fortaleza, na manhã desta quinta-feira (31), ...