Home / Esportes / Sem adversários, Infantino é reeleito presidente da Fifa

Sem adversários, Infantino é reeleito presidente da Fifa

05/06/2019 às 11:06:05

Gianni Infantino foi reeleito nesta quarta-feira (5) para a presidência da Fifa até 2023. Os membros das 211 federações que compõem a entidade deram mais um mandato para o dirigente suíço por aclamação, durante o congresso realizado em Paris, já que ele era o único candidato ao cargo.

Um advogado suíço de 49 anos, Infantino foi eleito pela primeira vez para comandar a Fifa em fevereiro de 2016, após a renúncia de Joseph Blatter. O seu antecessor, também um suíço, deixou o cargo diante de um escândalo de corrupção na entidade. Agora, cumpre seis anos de suspensão por má conduta financeira.

Antes mesmo de sua reeleição, Infantino declarou nesta quarta-feira que acabou com os escândalos e a corrupção na Fifa, apesar de vários membros do conselho da entidade terem sido alvo de acusações. “Para quem me ama, para quem me odeia, hoje eu quero todo mundo”, disse o suíço, que relembrou o cenário da sua primeira eleição ao cargo.

“Lembrem-se do estado da Fifa naquele congresso”, disse Infantino. “Os últimos três anos e quatro meses não foram perfeitos. Certamente eu cometi erros e tentei melhorar e fazer melhor, mas, hoje, em um dia de eleição, ninguém fala sobre crise. Ninguém fala em reconstruir a Fifa do zero. Ninguém fala sobre escândalos. Ninguém fala sobre corrupção”.

Em 2016, uma geração de dirigentes das Américas do Norte e do Sul foi afastada do futebol depois que a Justiça da Suíça e dos Estados Unidos investigaram casos de corrupção. Mas na era Infantino, quatro confederações continentais perderam membros eleitos para o Conselho da Fifa por acusações de corrupção e má administração financeira.

O presidente também chegou a ser investigado pelo Comitê de Ética da Fifa pelo uso de aviões particulares. Além disso, alguns investigadores deixaram seus cargos na entidade.

Mas Infantino disse nesta quarta-feira para as 211 associações que compõem a Fifa que “invertemos a situação” em relação ao período em que Blatter esteve à frente da entidade. “Essa organização passou de tóxica, quase criminosa, para o que deveria ser: uma organização que desenvolve o futebol, uma organização que se importa com o futebol. Nos transformamos em uma nova Fifa, uma organização que é sinônimo de credibilidade, confiança, integridade, igualdade e direitos humanos”.

Terra

Compartilhar

Veja Também

Ela decide! Cristiane faz 3 e Brasil vence estreia contra a Jamaica

09/06/2019 às 22:30:47 O Brasil estreou na Copa do Mundo feminina carregando o fardo de ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *