iG São Paulo

Em um só dia, as articulações do presidente continuaram durante almoço com ruralistas; ministros também poderão reforçar o apoio ao governo

Presidente Michel Temer enfrenta denúncia da PGR e desconforto silencioso com o presidente da Câmara%2C Rodrigo Maia

Presidente Michel Temer enfrenta denúncia da PGR e desconforto silencioso com o presidente da Câmara%2C Rodrigo Maia

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil – 20.7.17

A menos de 24h da denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer, o peemedebista continuou articulando encontros com deputados. Apenas hoje, a agenda do presidente registrou, até às 18h, a presença de 31 parlamentares, além da bancada feminina da base aliada, no gabinete presidencial.

Leia também: Temer é notificado sobre leitura de parecer no Plenário da Câmara

 Isso sem contar o almoço da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA) onde ele se reuniu com 52 ruralistas, e a possibilidade de a agenda de articulações se estender pela noite, já que Michel Temer também foi convidado para jantar na casa do deputado Fábio Ramalho (PMDB-MG), vice-presidente da Câmara, onde se encontraria com mais parlamentares. Porém, não há confirmação oficial da ida do presidente ao jantar.

A maratona de reuniões tem explicação: amanhã os representantes da Câmara terão que votar pelo prosseguimento ou não da denúncia contra Temer por corrupção passiva. Por isso, além dos encontros físicos, em alguns casos, Temer chegou a telefonar para os parlamentares para pedir apoio. Segundo um dos seus mais fiéis aliados, o presidente tem explicado que a denúncia representa uma injustiça contra ele, sua biografia e um ataque à sua honra.

Não é preciso apenas alcançar os votos suficientes para barrar a acusação, o governo também precisa agir para garantir a presença de, pelo menos, 342 deputados na sessão. Esse é o quórum mínimo para que a votação seja iniciada. A estratégia de Temer é derrubar o quanto antes a denúncia.

Os governistas demonstram confiança que, se votado amanhã, o relatório do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG) será aprovado. O parecer, contrário à admissibilidade da denúncia a Temer por corrupção passiva, foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. O relatório do tucano foi aprovado após a rejeição de outro relatório, do deputado Sérgio Zveiter (PMDB-RJ), que era favorável à aceitação da denúncia.

Reforço

De acordo com a declaração desta terça-feira (1º) do ministro-chefe da Casa Civil da Presidência da República, Eliseu Padilha, os ministros que têm mandato de deputado serão exonerados temporariamente para retornar à Câmara e participar da sessão.

As exonerações serão publicadas na edição de amanhã do Diário Oficial da União. Os ministros da Educação e da Saúde, Ricardo Barros e Mendonça Filho, sinalizaram interesse a retornar a seus mandatos como deputados para votarem pelo arquivamento da acusação contra o presidente.

?Para mim não tem nenhuma dificuldade. Exercerei minha prerrogativa de parlamentar como sempre fiz ao longo da minha carreira?, disse Mendonça Filho. Para o ministro da Saúde, a denúncia apresentada pela PGR é uma ?ação política? de setores contra a reforma da Previdência.

?Eu estou atuante no sentido de garantir ao presidente Temer a conclusão de seu mandato e combater essa ação, que é uma ação política de ministério público e judiciário e outras carreiras que ganham o teto, que não querem a reforma da previdência. São os mais privilegiados servidores do Brasil e fazem de tudo para tirar o ambiente político da aprovação da reforma?, disse Barros.

Jantar

Após um dia repleto de encontros com deputados no Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer foi à casa do vice-presidente da Câmara dos Deputados, Fábio Ramalho (PMDB-MG), prestigiar um jantar oferecido para os colegas aliados. O presidente chegou às 22h30 e foi recebido com muita festa no apartamento de Ramalho, no 5º andar. Gritos de ?Michel! Michel? eram ouvidos do pilotis do prédio.

O agrado ao presidente vem a poucas horas de um momento decisivo para ele. Nesta quarta-feira (2), será aberta a sessão que pode votar a admissibilidade ou não da denúncia feita contra ele pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Seguro de que tem votos suficientes para barrar a denúncia, o desafio é tentar reunir o quórum mínimo, de 342 parlamentares, para iniciar a votação.

?Tem parlamentares que vão votar a favor da continuidade [da denúncia]. O que a gente tá pedindo é que esses parlamentares vão para o plenário, marquem sua presença, se posicionem. Mas que a gente tenha 342 presentes para a gente poder começar a deliberar?, disse Beto Mansur (PRB-SP).

O líder do PMDB na Câmara, Baleia Rossi (PMDB-SP), também foi ao jantar. Para ele, é não é o momento de interromper os ?avanços do país?. ?Hoje é um encontro da bancada para, claro, falar sobre o dia de amanhã, mas acho que todos os deputados já sabem da responsabilidade do seu voto. No dia 1º de janeiro de 2019 o presidente vai responder o processo e provar a sua inocência, mas para garantir a continuação dos avanços do país não é razoável?.

O deputado Heráclito Fortes (PSB-PI) disse que parlamentares do PT da Bahia e de Minas Gerais decidiram comparecer à sessão. ?Eu soube que o PT está agindo com muita inteligência, quer se recuperar de atitudes anteriores de momentos históricos. Quer virar essa página. O que eu soube é que setores do PT baiano e do PT mineiro vão [comparecer à votação]?.

Fortes, aniversariante do dia, recebeu uma visita rápida de Temer em sua casa, no início da tarde. Após sair de um almoço da Frente Parlamentar do Agronegócio (FPA), o presidente visitou Fortes, que mora próximo. ?Ele foi muito gentil, muito cortês. Ele saiu da casa do agronegócio, que fica em frente a minha e deu um pulinho na minha casa para comer doce de bacuri. Ele adora?.

Temer passou cerca de meia hora no jantar. Segundo Carlos Marun (PMDB-MS), ?mais sorriu do que falou?. Um fato curioso marcou a chegada e a saída de Temer. Mesmo entrando pela garagem, teve que passar na frente dos fotógrafos e cinegrafistas, no térreo do prédio, porque o elevador quebrou pouco antes de sua chegada. Com isso, o presidente, sorridente, subiu as escadas até a casa de Ramalho. Na saída, desceu as escadas, também sorrindo, até a garagem.

Anfitrião da noite, Fábio Ramalho disse que o encontro, marcado na véspera da votação, não foi proposital. Ele disse que se tratou de um jantar de diálogo. ?É uma maneira que a gente tem de dialogar, conversar. Mais que isso, é uma maneira de um sentir o outro, dar serenidade e prudência para todo mundo?.

*Com informações da Agência Brasil

Leia também: Defesa de Lula diz que Sérgio Moro pratica perseguição contra o ex-presidente