Home / Cultura / Lollapalooza chega à 8ª edição brasileira cada vez menos alternativo

Lollapalooza chega à 8ª edição brasileira cada vez menos alternativo

04/04/2019 às 21:43:22

Quando chegou ao Brasil, em 2012, o Lollapalooza se apresentou como um festival alternativo, seguindo as tradições do evento original, idealizado por Perry Farrell, do Jane’s Addiction, nos anos 1990.

Se o Rock in Rio, recém-reformado um ano antes, era tido como o megafestival do mainstream, o Lolla vinha para trazer as banda do indie, que representavam uma música mais contemporânea e viviam seu auge no começo da década.

Estabelecido como o maior festival anual de música do Brasil, em 2019 a franquia chega à oitava edição consecutiva em São Paulo (entre os dias 5 e 7, novamente no Autódromo de Interlagos). Atualmente, sobrou pouco da pegada de nicho do Lolla, que está abrindo seu leque para a música jovem, o EDM (Electronic Dance Music) mais popular e o hip-hop.

Neste ano, o principal nome do evento é um rapper, o californiano aclamado por público e crítica Kendrick Lamar. Diferentemente de 2016, quando Eminem era o principal artista da escalação, desta vez o Lolla mira em um MC cujo sucesso é atual, e não um resgate do passado. Além de ser um show inédito no país.

O hip-hop já ultrapassou o rock como o gênero mais ouvido nos Estados Unidos, mas a tendência demorou a ser percebida pelo festival. Os últimos lineups estiveram recheados de veteranos, de Metallica a Pearl Jam, que acumulam passagens pelo Brasil nesta década.

Essa inclinação ao rap, ainda bastante tímida, vem acontecendo de maneira evidente nas últimas edições, conforme o Lolla tenta renovar sua identidade simultaneamente à perda de espaço do indie no cenário mundial. Para se ter noção, o Arctic Monkeys, outro headliner deste ano, chega muito menos badalado do que em 2012, quando também fechou uma das noites do evento em show concorridíssimo.

A escalação completa dos três dias, claro, também está recheada de artistas do indie (Foals, Kings of Leon), pop (Years & Years), rock (Greta Van Fleet) e a investida rentável na música eletrônica.

Desde o começo, o Lolla reserva um palco para o gênero, mas atualmente ele ganhou um espaço ainda maior. Hoje, o palco Perry reúne artistas muito mais conhecidos e recebe um público (órfão de festivais como o Tomorrowland) que vai ao autódromo só ver DJs como Tiësto e Steve Aoki.

Apesar de sempre acenar às plateias mais velhas (já trouxe nomes como Duran Duran e New Order e, desta vez, Lenny Kravitz), o Lolla também se mantém firme na preferência do público jovem.

São eles que compõem a maioria da base de fãs de gente como Post Malone, The 1975 e Twenty One Pilots, todos com shows em horários nobres.

A comparação da escalação brasileira com as edições chilena e argentina do mesmo festival também revela o conservadorismo de algumas escolhas. Enquanto o funkeiro paulista Kevinho, dono de hits como “Olha a Explosão”, foi celebrado de maneira contundente pelo público chileno, no último fim de semana a edição brasileira optou por não escalá-lo.

A sensação espanhola Rosalía, conhecida por misturar pop e batidas eletrônicas com o flamenco, se apresentou em Santiago e Buenos Aires, mas não vem para São Paulo. Por outro lado, o público brasileiro ficou com os Tribalistas, que sobe ao palco do Lolla depois de uma bem-sucedida turnê por estádios em capitais do país.

Nunca foi barato ir ao Lolla, mas os aumentos acima da inflação por anos consecutivos dificultam ainda mais o acesso. Neste ano, para quem não é estudante, a entrada para apenas um dos dias de evento custa quase um salário mínimo (R$ 800).

Conforme a Folha de S.Paulo mostrou, em algumas cidades, até mesmo para retirar ingressos em um ponto físico foi cobrada uma taxa de conveniência, que poderia chegar a R$ 360. A prática é considerada ilegal pelo Procon do Rio de Janeiro.

Apesar das reclamações se multiplicarem, o Lolla não sofreu perda significativa de público. Ano passado, cerca de 300 mil pessoas compareceram aos três dias de festa. O surgimento de diversas promoções nas últimas semanas, contudo, pode ser um indício de que este momento está para chegar.

Notícias ao Minuto

Compartilhar

Veja Também

‘Ancine está destruída’, diz Wagner Moura ao exibir ‘Marighella’ em NY

09/12/2019 às 10:45:57 Em um dos auditórios da Universidade de Columbia, a anfitriã do “African ...