Home / Cultura / Católicos celebram feriado confinados; vírus desacelera na Europa

Católicos celebram feriado confinados; vírus desacelera na Europa

11/04/20120 às 13:01:11

O avanço do novo coronavírus desacelerou ao longo da última semana em alguns dos países europeus mais afetados, como Itália, Espanha, Alemanha e França, mas ganhou força de forma alarmante em outras partes, como na África, onde a Covid-19 está se espalhando para áreas rurais, informou o chefe da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Ghebreyesus, nesta sexta, quando centenas de milhões de cristãos no mundo celebraram a Sexta-feira Santa confinados em suas casas, acompanhando pela primeira vez pela internet ou TV cerimônias solitárias, devido à pandemia, que superou o limite simbólico dos 100 mil mortos no Planeta.

Segundo Tedros, a ajuda à África precisa ser acelerada, embora os números de casos da doença no continente (12.699, até sexta) sejam relativamente pequenos. A Europa é o mais afetado (70.270 mortes e 857.822 infecções). A Oceania é o menos atingido (62 mortes e 7.386 doentes).

O chefe da OMS também advertiu para os riscos de uma retirada precipitada das restrições de confinamento impostas pelos países para conter a pandemia. Segundo Tedros, uma suspensão rápida demais do confinamento poderia levar a um nova onda mortal do vírus.

“Sei que alguns países já estão preparando a transição para abandonar as restrições de confinamento. Como todo o mundo, a OMS quer que as restrições sejam levantadas. Ao mesmo tempo, suspender as restrições muito rapidamente pode levar a um rebote mortal”, advertiu o chefe da OMS, em entrevista coletiva em Genebra, na Suíça.

Paixão de Cristo

Enquanto os especialistas reforçam a importância das medidas de isolamento social para reduzir a espiral de contágios pelo mundo, no Vaticano, o papa Francisco, líder espiritual de 1,3 bilhão de católicos, lembrou profissionais de saúde e religiosos que morreram para salvar vidas. “Os médicos, enfermeiros, enfermeiras, irmãs, padres” que morreram combatendo a pandemia de coronavírus “morreram no front como soldados que deram suas vidas por amor”, disse o pontífice à emissora italiana Rai.

O pontífice estimou que esses homens e mulheres se juntaram à lista dos “crucificados na História”. Ele falou por telefone em um programa dedicado à Sexta-feira Santa, que recorda a crucificação e a morte de Jesus Cristo.

“Sinto-me próximo do povo de Deus, especialmente daqueles que mais sofrem, das vítimas da pandemia, da dor do mundo”, acrescentou o papa argentino. Mas ele também disse contemplar “a esperança, que não tira a dor, mas não decepciona”.

À luz das tochas, Francisco celebrou uma Via Crúcis em formato reduzido na Praça de São Pedro, em Roma, acompanhado por um grupo de cinco prisioneiros de uma prisão de Pádua e de um grupo de cinco médicos e enfermeiros do Vaticano. Desde 1964, a Via Crúcis na presença do papa acontece com milhares de fiéis ao redor do anfiteatro romano do Coliseu, iluminado.

Vacinas

Nos laboratórios científicos, a corrida para descobrir a imunização do vírus mortal está acelerada. Um balanço divulgado pela revista especializada “Nature” contabiliza 115 vacinas candidatas contra a Covid-19, das quais cinco estão em fase de ensaios clínicos (testes em pessoas).

O balanço foi feito com base em dados recolhidos pela Coligação para a Inovação na Preparação contra Epidemias (CEPI, na sigla em inglês), criada em 2017 para incentivar e acelerar o desenvolvimento de vacinas contra doenças infecciosas emergentes e torná-las acessíveis às pessoas durante os surtos. Das 115 vacinas candidatas, 37 não foram confirmadas como estando em situação ativa por falta de informação disponível.

Diário do Nordeste

Compartilhar

Veja Também

Artistas ajudam na conscientização dos mais jovens

15/06/2020 às 11:48:09 Morador de Heliópolis há mais de 30 anos e presidente da Central ...